Encontro OSM Brasil - maio/2024

Olá, comunidade!

Os primeiros 2 encontro OSM Brasil foram um sucesso, com vários participantes e discussões bem interessantes!

Convidamos a comunidade para o próximo encontro, que ocorrerá em 2024-05-07T22:00:00Z

O evento terá duração prevista de 90 minutos e será dividido nas seguintes partes:

  • Introdução dos participantes (15 minutos)
  • Apresentação dos projetos (60 minutos)
  • Discussão aberta (15 minutos)

As pessoas interessadas em participar devem enviar suas inscrições e propostas de apresentações por meio deste formulário:

Formulário de inscrições do Encontro OSM Brasil - maio/2024

Este evento é organizado por @vgeorge e @matheusgomesms. Para dúvidas ou sugestões, por favor, utilize este tópico ou nos envie uma mensagem diretamente.

2 Likes

O que foi discutido hoje (vídeo em breve):

Participantes:

Notas:

  • Primeira participação do BladeTC, mapeador de longa data do OSM
  • Laura está começando a colaborar com o OSM e quer aprender mais como mapear para ajudar nos esforços relacionados às enchentes
  • Laura comenta que em Candelária que a situação não está crítica como em outros lugares
  • Gustavo Schenkel comenta que há interesse do MateHackers um app similar ao https://caminhodofogo.com.br/ relacionado a enchentes, e sugeriu a eles usar o OSM
  • Gustavo levantou o ponto de que este app precisa de login e gostaria de discutir o impacto disso no mapeamento colaborativo e como é feito o mapeamento no OSM em casos como o das enchentes
  • Vitor apresentou o Tasking Manager, como funciona, e para quê é usado
  • Vitor apresentou o Field Papers também
  • Matheus comenta que os dados do OSM são especialmente importantes quando há uma lacuna de informação nas áreas afetadas por tragédias
  • Matheus comenta que pode ser redundante colocar camadas de outras organizações que já são facilmente acessíveis no OSM e que é melhor mapear o que não está em nenhum mapa
  • Raphael entende que orgãos de governo ainda usam o OSM de maneira incipiente, citando o IBGE que até usa camadas do OSM, mas não faz integração com o projeto. E também que muitas prefeitura não disponbilizam ou dificultam o acesso a dados geo que já existem
  • Raphael comenta que a infraestrutura viária impermebilizada das cidades contribui para agravar o problema de enchentes
  • Blade comenta que a (baixa) qualidade dos dados dificulta o seu uso
  • Severin compartilhou um curso sobre mapeamento humanitário: https://www.youtube.com/playlist?list=PLRXdxCa6osgzna_PwjjHwkEf7FOwYcAOj
  • Severin fala do processo de importação de dados ao OSM. Além da questão da licença dos dados, é um processo demorado por natureza (cerca de 1 mês)
  • Severin concorda que é preciso tentar identificar quem está usando estes dados no campo para que o mapeamento seja mais efetivo
  • Matheus comenta que os dados disponíveis por orgãos do governo no RS são bons
  • Gustavo comenta que os mapeamentos feitos no MyMaps do Google acabam ficando isolados em mapas dos usuários
  • Miguel Qualhano comenta sobre decisão do TCU sobre a base do INDE, que deve ser a base de referencia das prefeituras
  • Miguel e Matheus discutiram como é difícil explicar as licenças para as prefeituras e obter autorização de dados
  • Laura comenta que há baixa cobertura no OSM de municípios que não fazem parte de regiões metropolitanas
  • Laura salienta que é preciso definir quais são as áreas de risco prioritárias e direcionar os mapeamentos para elas
  • Laura comenta que um tipo de mapeamento importante é identificar edificações danificadas, e que é preciso identificar onde há esse tipo de ocorrência para direcionar mapeamento
  • Severin comenta que o Google Maps também pode ser deficiente em termos de cobertura de edifícios em áreas rurais ou ter dados defasados. Este pode ser um argumento para sensibilizar a comunidade a usar o OSM
  • Blade comenta que existem muitos mais municípios além de Candelária (HOT Tasking Manager) que foram afetadas e que é preciso abrir mais frentes
  • Vitor comenta que os esforços de edificios danificados depende de imagens atualizadas
  • Vitor sugeriu abrir uma frente em Eldorado do Sul, que é uma das cidades mais afetadas: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2024/05/07/chuvas-rs-prefeito-eldorado-enchentes-alagamentos-evacuacao-populacao.htm
  • Severin sugere o uso do Open Data Kit para coletar o nível de danos dos edifícios
  • Vitor sugeriu o Rapid para mapeamento de edifício, e o Miguel Qualhano e o Blade comentaram que muitos edifícios precisam ser realinhados para ser entrar no OSM
  • Matheus comentou que dados de drones podem ser úteis e podem ser hospedados se alguém tiver acesso
  • Raphael comentou sobre a qualidade dos dados do Google Buildings (Open Buildings), que pode ser melhor que os da Microsoft (embutido no Rapid)
  • Foi sugerido inicar um projeto em Eldorado do Sul.
  • Blade sugeriu aumentar o nível necessário do mapeador para restringir mapeadores novatos. JOSM pode ser também o único editor permitido, restringindo ainda mais os mapeadores iniciantes.
  • Blade fez uma comparação do Google com Microsoft, e parece que em Eldorado os dados do Google realmente estão melhores.
  • Severin compartilhou esses vídeos interessantes para obtenção de dados OSM de maneira facil: https://www.youtube.com/playlist?list=PLRXdxCa6osgzna_PwjjHwkEf7FOwYcAOj

Boa tarde, @matheusgomesms , estou vendo o vídeo da última reunião somente hoje…

1 - Para estreitar os laços com os órgãos públicos, especialmente, a Defesa Civil, sugiro elaborarem um relatório com os totais mapeados nos projetos que já estão completos (já são muitos), especialmente, buildings e vias (áreas urbana/rural), total de mapeadores que participaram + descrição → duração da campanha, cidades atendidas no mapeamento , página da campanha na wiki OSM.

Seria enviado para Defesa Civil nacional e defesas civis das cidades já mapeadas. Fazer isso ASAP. Se alguém escrever, posso revisar.

2 - Sobre o mapeamento do RS, tem muito mapeado em áreas urbanas, mas pobre nas rurais. Algumas cidades em área rural não tinham nada…

3 - Sobre a hidrografia, continuamos fazendo, porque é parte da atividade interna do nosso capítulo. Mas, estou tentando conseguir a autorização (já fui pelas vias normais, mas agora tentarei pelos meus contatos). No caso de conseguir, seria para depois desta campanha do RS.

Os dados da ANA são mais antigos e em escala menor. Da SEMA-RS, são mais recentes, precisão PEC Classe A (melhor de todas) escala 1:25.000.
Pelo que vi, casa certinho com a img satélite de fundo (Bing).

4 - Divulgação dos dados - ênfase em mostrar como utilizar - já tinha sugerido exportarmos os dados dos projetos (separadas, buildings, highways…) e disponibilizar no HDX e na Wiki OSM da campanha.

5 - Dúvida do colega sobre MyMaps - pode ser público ou não (mesma lógica das permissões de pastas e arquivos do GDrive).
Comporta exportação dos dados, mas não da “estrutura” do mapa.
Permite que mais de um edite (mesma lógica compart. GDrive).

O uMap permite muito mais, tem material meu, agradeço a divulgação na reunião @matheusgomesms

6 - TCU - obrigatoriedade dos órgãos públicos publicarem seus dados na INDE - processo ainda em andamento, que eu saiba. Posso confirmar.

7 - Pelo que uma das pessoas do IBGE, que cuida da INDE, falou em off, o IBGE não quer “abrir mão da autoria”, pois os dados uma vez no OSM, são dos contribuidores… falei da tag source… mas, enfim… continuar martelando nisso com eles.

8 - Sobre as secretarias estaduais de MA ficarem postergando a resposta, penso que podemos “atacar de cima”, usando a via da Defesa Civil Nacional solicitar os dados e nos enviarem.
Eu tenho uma colega que está participando de GT na Defesa Civil nacional, vou “prospectar” em off, se haveria chance disso… outras vias são pelos ministérios envolvidos MIDR ou MCidades, mas eu sugiro verificar primeiro a “linha política” do ministro, para ver se vale a pena ou não.

@matheusgomesms , para a reunião de 04/06, teríamos esta pauta:

  • continuação da campanha RS - foco na síntese/divulgação pq a campanha está andando bem;
  • mapeamento cobertura (dados MapBiomas) - sugestões do @pedro_tharg
  • importação/validação dos dados CNEFE 2022.

Obs: vamos deixar a importação das waterways para uma próxima, preciso conseguir a autorização formal para a importação primeiro.